top of page
Buscar
  • Foto do escritorVictor Camargo

A relação entre Winnicott e Melanie Klein

Atualizado: 26 de abr. de 2021



Farei aqui uma breve exposição da relação entre Winnicott e Klein. Segundo Loparic (1997), frequentemente é atribuído a Winnicott uma posição dentro das linhas do desenvolvimento psicanalítico situando seu lugar histórico por meio de dados institucionais, isto significa, sua posição na Sociedade Britânica de Psicanálise (SBP). Winnicott pertencia- juntamente com Fairbairn (1889-1964), Balint (1896-1970), Bion (1897-1979), dentre outros - ao grupo do meio, ficava então no entre, entre seguidores dos desenvolvimentos que vinham sendo feitos por Klein e entre os freudianos guiados por Anna Freud.


O lugar que ocupava na SBP é insuficiente para uma apreciação correta das ideias do autor, no entanto, é interessante notar com este tipo de registro que Winnicott, ao final de seus escritos, não deve ser figurado como kleiniano. Phillips entende, neste sentido, que o trabalho de Winnicott ao longo de sua carreira, por ter tido uma origem ligada à clínica social e pública ,alinha-se e contribui mais para debates sobre os destinos políticos e científicos de nossa disciplina do que às discussões sobre políticas institucionais exclusivas da psicanálise circunscritas dentro de uma tradição de gabinete e de consultório (como teria ocorrido com kleinianismo) (Phillips, 1988, p. 33). Abram (1996, p. 1), sobre o ambiente da Sociedade Britânica de Psicanálise, ressalta que a atmosfera da sociedade era pesada em decorrência das tensões resultantes a respeito da correta interpretação da obra de Freud e de seu subsequente desenvolvimento.


Então, embora tenha se entusiasmado significativamente com suas contribuições ao conhecê-las e ter reconhecido a influência de Klein em seu trabalho, é oportuno colocar que “Winnicott demorou a explicitar as suas diferenças para com a psicanálise ortodoxa, em particular com a de Melanie Klein” (Loparic, 1997, p. 45).Winnicott chegou à Klein após indicação de James Strachey (1887-1967), analista freudiano (tradutor, inclusive, das obras de Freud para o inglês) com quem esteve em análise por dez anos, entre 1923 e 1933. É em 1923, também, que Winnicott obtém seu primeiro emprego como psiquiatra graças a sua afinidade com a psicologia no tratamento pediátrico dos bebês (idem).


A respeito de seu trajeto pediátrico, Winnicott nota que enquanto seus colegas pediatras ocuparam-se essencialmente dos aspectos físicos, sua atenção gradualmente foi voltando-se para a especialização dos aspectos psicológicos (Winnicott, 1990, p. 21). O quadro que temos aqui nos ajuda a olharmos para um ponto interessante: Winnicott depara-se com a obra de Freud enquanto procura soluções para os problemas encontrados nos bebês e crianças que estava tentando tratar, - tal quadro nos permite pensar em elementos que fornecem condições ao psicanalista para a observação de que as dificuldades encontradas no tratamento (o distúrbio) podem não estar relacionada a chegada ao Édipo ou sua resolução. É esta situação (juntamente com o tratamento de psicóticos ) que o permitiu tecer a hipótese de uma dinâmica antecessora ao tradicional relacionamento a três corpos.


Winnicott estava então em uma posição privilegiada, era neste momento o primeiro pediatra inglês a praticar como um psicanalista, condição que o possibilitou a, de forma singular, realizar comparações entre suas observações clínicas e as narrativas contidas no tratamento psicanalítico (Phillips, 1988, p. 80). Winnicott levou esta percepção a Strachey, que aparentemente sem saber resolver a questão indicou que procurasse por Klein, que na época já era uma conhecida psicanalista de crianças (Loparic, 1997, p. 47). Penso que este trecho do texto de Winnicott, Enfoque pessoal da contribuição kleiniana (1962), (cabe notar que nesta altura já se passaram mais de 20 anos da época em que o autor frequentava o grupo dirigido por Klein), é útil aqui e ilustra as primeiras impressões do autor a respeito deste encontro:

De modo que fui ver e ouvir Melanie Klein, e descobri uma analista que tinha muito que dizer sobre as ansiedades que pertencem ao primeiro ano; me instalei para trabalhar auxiliado por ela. Levei-lhe um caso descrito com grandes pormenores e ela teve a bondade de lê-lo todo. Na base dessa análise pré-kleiniana que realizara baseado na minha própria por Strachey, vim a aprender algo da imensidão de coisas que descobri que ela já sabia. (Winnicott, 1983e, p. 158).


Neste mesmo texto, Winnicott expõe como foi difícil para ele passar da noite para o dia da condição de pioneiro para aluno de uma pioneira. Dificuldade que talvez se reflita no modo como se relacionou com as contribuições da psicanalista, Phillips observa que “Winnicott variou os temas kleinianos de modo à simultaneamente se inscrever neles e se diferenciar.” (Phillips, 1988, p. 13) e, num sentido mais abrangente, e talvez o apontando neste caso como um “mau aluno”, Newman entende que “Poucos percebem o seu poder subversivo: sua declaração de não submissão e não-compaixão” (2003, p.15).


Aqui, uma vez apontada a existência de controvérsias, penso ser importante marcar o fato de que o trabalho de Klein versava de assuntos em comum ao trabalho que o jovem Winnicott estava se deparando e que, neste instante, Winnicott chegara à psicanálise “[...]desconhecendo choques de personalidade entre os vários analistas, e apenas satisfeito por conseguir ajuda suficiente para minhas dificuldades.” (Winnicott, 1983e, p. 157). Daí surge um período de estudos e colaboração mútua que ocorreu entre 1935-40. Ambos estavam percebendo a manifestação de distúrbios psíquicos anteriores ao período edípico descrito por Freud.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 

ABRAM, J. A Linguagem de Winnicott. Rio de Janeiro: Revinter, 2000.

ABRAM, J. On Winnicott’s clinical innovations in the analysis of adults. The International Journal of Psychoanalysis. Int J Psychoanal (2012) 93:1461–1473.

BLASS, Rachel B. ‘‘On Winnicott’s clinical innovations in the analysis of adults’’: Introduction to a controversy. The International Journal of Psychoanalysis. Int J Psychoanal (2012) 93:1439–1448.

BONAMINIO, Vincenzo. On Winnicott’s clinical innovations in the analysis of adults. The International Journal of Psychoanalysis. Int J Psychoanal (2012) 93:1475–1485.

CINTRA, E. M. d. U. and L. C. Figueiredo. Melanie Klein. Estilo e pensamento. São Paulo: Escuta, 2004.

DIAS, E. O. A teoria do amadurecimento de D. W. Winnicott. Rio de Janeiro: Imago, 2003.

FREUD, S.  Luto e melancolia. Edição Standard Brasileira das obras psicológicas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago. 14: 275-yyy, 1917e.

______. Além do princípio do prazer. Edição Standard Brasileira das obras psicológicas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago. 18: 17-yyy, 1920g.

FULGENCIO, L. Aspectos diferenciais da noção de Ego e de Self na obra de Winnicott. Estilos da Clínica, 2013b.

______. Metodologia de pesquisa em psicanálise na universidade. Psicanálise e Universidade: Um encontro na pesquisa. F. Scorsolini-Comin and C. A. Serralha. Curitiba: CRV, 2013a.

______. A necessidade de ser como fundamento do modelo ontológico do homem para Winnicott. A fabricação do humano. São Paulo: Zagodoni, 2014a.

______. A noção de Id para Winnicott. Percurso. Revista de Psicanálise, 2014b.

GREENBERG, J. R. and S. A. M. Relações objetais na teoria psicanalítica. Porto Alegre: Artes Médicas, 1983.

HINSHELWOOD, R. D. (1992). Dicionário do pensamento kleiniano. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

KLEIN, M. Uma contribuição à psicogênese dos estados maníaco-depressivos. Obras completas de Melanie Klein (Volume I. Amor, culpa e reparação e outros trabalhos 1921-1945). Rio de Janeiro: Imago, 1935.

______. O desmame. Obras completas de Melanie Klein (Volume I. Amor, culpa e reparação e outros trabalhos 1921-1945). Rio de Janeiro: Imago, 1936.

______. Amor, culpa e reparação. Obras completas de Melanie Klein (Volume I. Amor, culpa e reparação e outros trabalhos 1921-1945). Rio de Janeiro: Imago, 1937.

______. O luto e suas relações com os estados maníaco-depressivos. Obras completas de Melanie Klein (Volume I. Amor, culpa e reparação e outros trabalhos 1921-1945). Rio de Janeiro: Imago, 1940.

______. O complexo de Édipo à luz das ansiedades arcaicas. Obras completas de Melanie Klein (Volume I. Amor, culpa e reparação e outros trabalhos 1921-1945). Rio de Janeiro: Imago, 1945.

______. As origens da transferência. Obras completas de Melanie Klein (Volume III. Inveja e gratidão e outros trabalhos 1946-1963). Rio de Janeiro, Imago, 1952.

______. Sobre o sentimento de solidão. Obras completas de Melanie Klein (Volume III. Inveja e gratidão e outros trabalhos 1946-1963). Rio de Janeiro: Imago, 1963.

______ and J. RIVIERE. Amor, Ódio e Reparação. Rio de Janeiro: Imago, 1970.

KUHN, T. S. (1970). A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 1975.

LAPLANCHE, J. AND J.-B. PONTALIS. Vocabulário da psicanálise. São Paulo: Martins Fontes, 1986.

LOPARIC, Z. Winnicott e Melanie Klein : conflito de paradigmas. A clínica e a pesquisa no final do século : Winnicott  e a universidade. I.F.M. Catafesta. São Paulo, Lemos : 43-60, 1997.

______. De Freud a Winnicott: aspectos de uma mudança paradigmática. Revista de Filosofia e Psicanálise Natureza Humana 8 (Especial 1): 21-47, 2006.

______. Elementos da teoria winnicottiana da sexualidade. Revista de Filosofia e Psicanálise Natureza Humana 7(2): 311-358, 2007.

______. Winnicott clínico. Natureza Humana 12(2), 2010.

NEWMAN, A. As ideias de D. W. Winnicott. Rio de Janeiro: Imago, 2003.

PETOT, J.-M. Melanie Klein II. São Paulo: Perspectiva, 1982.

PHILLIPS, A. Winnicott. London: Fontana Press, 1988.

SEGAL, H. Introdução à obra de Maelanie Klein. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

SPILLIUS, E. B. Uma visão da evolução clínica kleiniana. Da antropologia à psicanálise. Rio de Janeiro: Imago, 2007.

______, J. Milton, et al. The New Dictionary of Kleinian Thought. London and New York: Routledge, 2011.

WINNICOTT, D. W. (1945d). Desenvolvimento Emocional Primitivo. Da Pediatria à Psicanálise: Obras Escolhidas. Rio de Janeiro: Imago, 2000.

______. (1955c). A Posição Depressiva no Desenvolvimento Emocional Normal. Da Pediatria à Psicanálise: Obras Escolhidas. Rio de Janeiro: Imago, 2000.

______. (1955d). Aspectos Clínicos e Metapsicológicos da Regressão no Contexto Psicanalítico. Da Pediatria à Psicanálise: Obras Escolhidas. Rio de Janeiro: Imago, 2000.

______. (1958b). A Agressividade em Relação ao Desenvolvimento Emocional. Da Pediatria à Psicanálise: Obras Escolhidas. Rio de Janeiro: Imago, 2000.

______. (1958j). O Primeiro Ano de Vida. Concepções Modernas do Desenvolvimento Emocional. A Família e o Desenvolvimento Individual. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

______. (1958o). Psicanálise do Sentimento de Culpa. O Ambiente e os Processos de Maturação. Porto Alegre: Artmed, 1983.

______. (1960c). Teoria do Relacionamento Paterno-Infantil. O Ambiente e os Processos de Maturação. Porto Alegre: Artmed, 1983.

______. (1963b). O Desenvolvimento da Capacidade de se Preocupar. O Ambiente e os Processos de Maturação. Porto Alegre: Artmed, 1983.

______. (1963c). Os Doentes Mentais na Prática Clínica. O Ambiente e os Processos de Maturação. Porto Alegre: Artmed, 1983.

______. (1965a). A família e o desenvolvimento individual. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

______. (1965m). Distorção do Ego em Termos de Falso e Verdadeiro Self. O Ambiente e os Processos de Maturação. Porto Alegre: Artmed, 1983.

______. (1965n). A Integração do Ego no Desenvolvimento da Criança. O Ambiente e os Processos de Maturação. Porto Alegre: Artmed, 1983.

______. (1965r). Da Dependência à Independência no Desenvolvimento do Indivíduo. O Ambiente e os Processos de Maturação. Porto Alegre: Artmed, 1983.

______. (1965va). Enfoque Pessoal da Contribuição Kleiniana. O Ambiente e os Processos de Maturação. Porto Alegre: Artmed, 1983.

______.  (1967b). A Localização da Experiência Cultural. O Brincar & a Realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

______. (1971b). Consultas Terapêuticas em Psiquiatria Infantil. Rio de Janeiro: Imago, 1984.

______. (1971f). O Conceito de Indivíduo Saudável. Tudo Começa em Casa. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

______. (1972). Introdução por M. Masud R. Khan (Holding e Interpretação). Holding e Interpretação. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

______. (1986a). Holding e Interpretação. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

______. (1988). Natureza Humana. Rio de Janeiro: Imago, 1990.

1.291 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page