top of page
Buscar
  • Foto do escritorVictor Camargo

Saúde segundo Winnicott

Atualizado: 26 de abr. de 2021

“a ausência de doença psiconeurótica pode ser saúde, mas não é vida” (WINNICOTT, [1967] 1975, p. 139).

Winnicott, ao longo de sua obra, distancia-se da noção de saúde da psicanálise tal qual aprendera em sua formação. Por vezes de forma sútil, em especial no início de sua carreira, fazendo questão de render homenagens aos que o precederam, e outras, talvez melhor articulado em suas próprias ideias, de forma mais direta, o autor evidencia que sua experiência clínica trazia novos elementos à vida saudável que não vinham recebendo seu devido valor. Tenho a impressão que Winnicott surpreende, inova, amplia, ao mesmo tempo em que confunde e incomoda, com colocações como :“a ausência de doença psiconeurótica pode ser saúde, mas não é vida”. (Winnicott, 1975, p. 139).


Pouco satisfeito com um processo de desenvolvimento descrito em função do id (Winnicott, 1999, p. 8), para o autor uma vida instintiva vivaz pode até aparentar saúde, no entanto, privilegiar este aspecto como absoluto, isto é, exclui-lo de um panorama maior, trata-se de um erro. Em uma palestra proferida em 1967 ( Winnicott faleceu em 1971 ), intitulada de O conceito de indivíduo saudável, o autor comenta que espera “não incidir no erro de pensar que se pode avaliar um homem ou uma mulher sem levar em conta seu lugar na sociedade”. (idem).


Ao mencionar seu lugar na sociedade, o autor não está propondo uma inversão, olharmos primeiro a sociedade para depois compreendermos o indivíduo, para ele a saúde social depende, antes, da saúde individual. Winnicott está, ao fazer este gênero de observação, sugerindo que a saúde está para além de uma “vida excitante [...]” (idem, p. 14), ou então, uma vida que administra seus instintos da melhor forma possível entre seus desejos e as censuras morais. Incluindo no balaio da vida (saudável) aspectos como a “magia da intimidade.” (idem ), Winnicott está discordando que o ser humano preocupa-se prioritariamente com a sua satisfação instintual em sua relação com objetos. Unindo suas experiências pediátricas e psicanalíticas, o autor nota que


“Não é a satisfação instintual o que faz com que um bebê comece a existir, a sentir que a vida é real, a achar que a vida vale a pena ser vivida.” (Winnicott, 1975, p. 116).


Qual seria então esta busca para além das satisfações do id ou do instinto? Na teoria de Winnicott são as satisfações do ego, satisfações , e necessidades, do ser: a experiência de ser é, portanto, o aspecto fundamental e motor da existência humana para Winnicott. As satisfações instintuais são, também, parte da experiência de ser. Na saúde, as experiências instintuais são integradas ao ego passando a sentirem-se parte de uma mesma unidade, isto, no entanto, não é um processo garantido e a ausência de um ambiente facilitador pode impedir que este processo seja realizado.


A integração da vida instintual ao ego\eu é, nesta perspectiva, uma conquista que pertence ao processo de desenvolvimento emocional do ser humano, constitui parte de suas necessidades, mas não sua totalidade e, embora exista um potencial para que isto ocorra, assim como as demais etapas do desenvolvimento, depende de provisões ambientais específicas para realizar-se.



Saúde, para Winnicott, significa continuidade do ser, penso que esta definição, no entanto, diz respeito a aspectos ontológicos que abordo no artigo Perspectiva ontológica . Aqui trato da forma como Winnicott descreve, principalmente para o público não psicanalítico- que vai desde psiquiatras, enfermeiras, assistentes sociais a palestras transmitidas por rádio -, o indivíduo saudável dando ênfase ao lugar que ele ocupa na sociedade.


Mas o que, afinal, Winnicott quer dizer com o lugar na sociedade que o indivíduo ocupa ao buscar estabelecer uma noção de saúde? Bem, a princípio parece ficar claro que a quantidade de satisfação instintual, em constante negociação com as exigências e censuras sociais, trata-se de um critério equivocado de discernimento entre um ser humano saudável e um patológico. Winnicott está atento, neste sentido, ao indivíduo e seu modo de relação com o ambiente, neste sentido, creio que a seguinte formulação possa ser feita: será que esse indivíduo encontrou um lugar na sociedade em que ele possa manter relações sociais sem que tenha que se adaptar demasiadamente a um padrão? Em última instância, será que ele é capaz de ser, e sentir que poderá continuar sendo, nas relações que estabelece com o ambiente\sociedade?


Outro ponto interessante, dentro ainda desta discussão entre saúde e doença, é o de Winnicott não estabelecer um critério hierárquico entre as doenças mentais em relação a saúde, nesta linha, observa o autor, os neuróticos não podem ser considerados, de prontidão, menos doentes que os psicóticos. A saúde e a doença, dentro de seu sistema teórico, são referidas mais ao tipo de relação que o indivíduo é capaz de estabelecer (consigo e com o mundo) do que com o estabelecimento de estruturas mentais mais ou menos eficientes na administração dos processos psíquicos.


Neste sentido, Winnicott apoia-se em uma definição de seu colega John Rickman (1891-1951) para, em uma palestra destinada a assistentes sociais, apresentar uma definição de doença: “‘Doença mental consiste em não ser capaz de encontrar alguém que possa aturá-lo’” (Winnicott, 1983d, p. 196).

Masud Khan, na introdução do livro D. W. Winnicott Holding e Interpretação (1991a), descreve um episódio que ilustra a habilidade de Winnicott em dialogar com diferentes personalidades. Khan conta que Winnicott, já no final de sua vida, foi procurado por um grupo de jovens padres anglicanos. Os eclesiásticos buscavam orientações para estabelecerem um critério entre os casos que deveriam encaminhar as pessoas que os procuravam para tratamento psiquiátrico e quando podiam auxiliá-las simplesmente com seus conselhos. Winnicott (1991a, p. 01) respondeu:


Se uma pessoa vem falar com você e, ao ouvi-la, você sente que ela o está entediando, então ela está doente e precisa de tratamento psiquiátrico. Mas se ela mantém o seu interesse independentemente da gravidade do seu conflito ou sofrimento, então você pode ajudá-la.


Winnicott, ao descrever umas das complicações no alcance da capacidade para a assimilação da vida instintual ao ego, sugere que o indivíduo pode vir a ter que viver num estado baixo de vitalidade resultante de problemas na integração de suas experiências, embora razoavelmente integradas ao ego, as elaborações destas experiências podem não estarem sintonizadas suficientemente ao ego, representando assim um problema para o indivíduo. Uma saída frente a este incômodo pode ser a inibição do instinto, o ganho de tal domesticação, no entanto, resulta em um empobrecimento geral da personalidade; penso que tais características são compatíveis ao perfil da pessoa tediosa.


As considerações de Winnicott nos permite, assim, um olhar mais acurado sobre o ser humano que por vezes esbanja normalidade ao longo de sua vida até um ponto em que, subitamente, não encontra mais meios de sustentar as seguidas supressões instintuais não integradas ao ego. Aqui o papel do analista é de possibilitar , dentro do contexto analítico, a emergência, vivência e elaboração de tal conteúdo em seu processo de integração ao ego, aumentando o repertório e a riqueza das experiências, mas, principalmente oferecendo a possibilidade da experiência de ser e continuar sendo.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 

ABRAM, J. A Linguagem de Winnicott. Rio de Janeiro: Revinter, 2000.

ABRAM, J. On Winnicott’s clinical innovations in the analysis of adults. The International Journal of Psychoanalysis. Int J Psychoanal (2012) 93:1461–1473.

BLASS, Rachel B. ‘‘On Winnicott’s clinical innovations in the analysis of adults’’: Introduction to a controversy. The International Journal of Psychoanalysis. Int J Psychoanal (2012) 93:1439–1448.

BONAMINIO, Vincenzo. On Winnicott’s clinical innovations in the analysis of adults. The International Journal of Psychoanalysis. Int J Psychoanal (2012) 93:1475–1485.

CINTRA, E. M. d. U. and L. C. Figueiredo. Melanie Klein. Estilo e pensamento. São Paulo: Escuta, 2004.

DIAS, E. O. A teoria do amadurecimento de D. W. Winnicott. Rio de Janeiro: Imago, 2003.

FREUD, S.  Luto e melancolia. Edição Standard Brasileira das obras psicológicas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago. 14: 275-yyy, 1917e.

______. Além do princípio do prazer. Edição Standard Brasileira das obras psicológicas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago. 18: 17-yyy, 1920g.

FULGENCIO, L. Aspectos diferenciais da noção de Ego e de Self na obra de Winnicott. Estilos da Clínica, 2013b.

______. Metodologia de pesquisa em psicanálise na universidade. Psicanálise e Universidade: Um encontro na pesquisa. F. Scorsolini-Comin and C. A. Serralha. Curitiba: CRV, 2013a.

______. A necessidade de ser como fundamento do modelo ontológico do homem para Winnicott. A fabricação do humano. São Paulo: Zagodoni, 2014a.

______. A noção de Id para Winnicott. Percurso. Revista de Psicanálise, 2014b.

GREENBERG, J. R. and S. A. M. Relações objetais na teoria psicanalítica. Porto Alegre: Artes Médicas, 1983.

HINSHELWOOD, R. D. (1992). Dicionário do pensamento kleiniano. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

KLEIN, M. Uma contribuição à psicogênese dos estados maníaco-depressivos. Obras completas de Melanie Klein (Volume I. Amor, culpa e reparação e outros trabalhos 1921-1945). Rio de Janeiro: Imago, 1935.

______. O desmame. Obras completas de Melanie Klein (Volume I. Amor, culpa e reparação e outros trabalhos 1921-1945). Rio de Janeiro: Imago, 1936.

______. Amor, culpa e reparação. Obras completas de Melanie Klein (Volume I. Amor, culpa e reparação e outros trabalhos 1921-1945). Rio de Janeiro: Imago, 1937.

______. O luto e suas relações com os estados maníaco-depressivos. Obras completas de Melanie Klein (Volume I. Amor, culpa e reparação e outros trabalhos 1921-1945). Rio de Janeiro: Imago, 1940.

______. O complexo de Édipo à luz das ansiedades arcaicas. Obras completas de Melanie Klein (Volume I. Amor, culpa e reparação e outros trabalhos 1921-1945). Rio de Janeiro: Imago, 1945.

______. As origens da transferência. Obras completas de Melanie Klein (Volume III. Inveja e gratidão e outros trabalhos 1946-1963). Rio de Janeiro, Imago, 1952.

______. Sobre o sentimento de solidão. Obras completas de Melanie Klein (Volume III. Inveja e gratidão e outros trabalhos 1946-1963). Rio de Janeiro: Imago, 1963.

______ and J. RIVIERE. Amor, Ódio e Reparação. Rio de Janeiro: Imago, 1970.

KUHN, T. S. (1970). A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 1975.

LAPLANCHE, J. AND J.-B. PONTALIS. Vocabulário da psicanálise. São Paulo: Martins Fontes, 1986.

LOPARIC, Z. Winnicott e Melanie Klein : conflito de paradigmas. A clínica e a pesquisa no final do século : Winnicott  e a universidade. I.F.M. Catafesta. São Paulo, Lemos : 43-60, 1997.

______. De Freud a Winnicott: aspectos de uma mudança paradigmática. Revista de Filosofia e Psicanálise Natureza Humana 8 (Especial 1): 21-47, 2006.

______. Elementos da teoria winnicottiana da sexualidade. Revista de Filosofia e Psicanálise Natureza Humana 7(2): 311-358, 2007.

______. Winnicott clínico. Natureza Humana 12(2), 2010.

NEWMAN, A. As ideias de D. W. Winnicott. Rio de Janeiro: Imago, 2003.

PETOT, J.-M. Melanie Klein II. São Paulo: Perspectiva, 1982.

PHILLIPS, A. Winnicott. London: Fontana Press, 1988.

SEGAL, H. Introdução à obra de Maelanie Klein. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

SPILLIUS, E. B. Uma visão da evolução clínica kleiniana. Da antropologia à psicanálise. Rio de Janeiro: Imago, 2007.

______, J. Milton, et al. The New Dictionary of Kleinian Thought. London and New York: Routledge, 2011.

WINNICOTT, D. W. (1945d). Desenvolvimento Emocional Primitivo. Da Pediatria à Psicanálise: Obras Escolhidas. Rio de Janeiro: Imago, 2000.

______. (1955c). A Posição Depressiva no Desenvolvimento Emocional Normal. Da Pediatria à Psicanálise: Obras Escolhidas. Rio de Janeiro: Imago, 2000.

______. (1955d). Aspectos Clínicos e Metapsicológicos da Regressão no Contexto Psicanalítico. Da Pediatria à Psicanálise: Obras Escolhidas. Rio de Janeiro: Imago, 2000.

______. (1958b). A Agressividade em Relação ao Desenvolvimento Emocional. Da Pediatria à Psicanálise: Obras Escolhidas. Rio de Janeiro: Imago, 2000.

______. (1958j). O Primeiro Ano de Vida. Concepções Modernas do Desenvolvimento Emocional. A Família e o Desenvolvimento Individual. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

______. (1958o). Psicanálise do Sentimento de Culpa. O Ambiente e os Processos de Maturação. Porto Alegre: Artmed, 1983.

______. (1960c). Teoria do Relacionamento Paterno-Infantil. O Ambiente e os Processos de Maturação. Porto Alegre: Artmed, 1983.

______. (1963b). O Desenvolvimento da Capacidade de se Preocupar. O Ambiente e os Processos de Maturação. Porto Alegre: Artmed, 1983.

______. (1963c). Os Doentes Mentais na Prática Clínica. O Ambiente e os Processos de Maturação. Porto Alegre: Artmed, 1983.

______. (1965a). A família e o desenvolvimento individual. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

______. (1965m). Distorção do Ego em Termos de Falso e Verdadeiro Self. O Ambiente e os Processos de Maturação. Porto Alegre: Artmed, 1983.

______. (1965n). A Integração do Ego no Desenvolvimento da Criança. O Ambiente e os Processos de Maturação. Porto Alegre: Artmed, 1983.

______. (1965r). Da Dependência à Independência no Desenvolvimento do Indivíduo. O Ambiente e os Processos de Maturação. Porto Alegre: Artmed, 1983.

______. (1965va). Enfoque Pessoal da Contribuição Kleiniana. O Ambiente e os Processos de Maturação. Porto Alegre: Artmed, 1983.

______.  (1967b). A Localização da Experiência Cultural. O Brincar & a Realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

______. (1971b). Consultas Terapêuticas em Psiquiatria Infantil. Rio de Janeiro: Imago, 1984.

______. (1971f). O Conceito de Indivíduo Saudável. Tudo Começa em Casa. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

______. (1972). Introdução por M. Masud R. Khan (Holding e Interpretação). Holding e Interpretação. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

______. (1986a). Holding e Interpretação. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

______. (1988). Natureza Humana. Rio de Janeiro: Imago, 1990.

340 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page